Qual o melhor piso para colocar na cozinha? Tome a decisão correta

Entre tantas opções de pisos que podemos escolher no mercado, como saber o melhor piso para colocar na cozinha? Atualmente, mesmo com tantos pisos de diversos tamanhos, materiais e cores, […]

LER MAIS

Como Declarar Um Imóvel No Imposto De Renda

Inicialmente, quando assunto é declarar um imóvel no Imposto de Renda, todos se assustam. O medo de errar no leão sempre ronda aqueles quem tem algum bem para declarar. Ainda […]

LER MAIS

5 vantagens de morar em condomínio fechado

As vantagens em morar em um condomínio fechado tem chamado atenção de novos compradores. Ainda mais em nosso país, em que qualquer lugar que tenha o mínimo de restrição e […]

LER MAIS
5 de fevereiro de 2020

Saiba tudo sobre o IPTU

Postado por Jamaica Imóveis em 05/fev/2020 - Sem Comentários

Trata-se de imposto de função predominantemente fiscal, mas que também pode ser utilizado com fins extrafiscais, a exemplo da situação prevista no art. 182, §4º, II, CRFB/88 (IPTU progressivo no tempo).

É possível, ainda, que a alíquota do imposto varie de acordo com o uso do imóvel (o que justifica a diferença de alíquotas entre imóveis comerciais e residenciais, por exemplo) e com a sua localização (possibilidade de existir tabelas diferentes de alíquotas de IPTU para bairros de classe alta, média e baixa). Seguindo essa linha, o STF editou a Súmula 539, a qual dispõe: “É constitucional a lei do município que reduz o imposto Predial Urbano sobre imóvel ocupado pela residência do proprietário, que não possua outro”.

Além disso, é possível a progressividade das alíquotas em razão do valor do bem (art. 156, §1º, I, CRFB/88).

O fato gerador do IPTU é a propriedade, o domínio útil ou a posse de bem imóvel por natureza ou por acessão física, como definido na lei civil, localizado na zona urbana do Município (art. 32, CTN). Deve-se atentar para o fato de que a propriedade tributada não é apenas a do terreno (imóvel por natureza), como no ITR, mas também a das construções feitas pelo homem (imóveis por acessão física). Diante disso, a construção de benfeitorias, de forma a ampliar a área construída, encarecer de forma mais severa a propriedade tributada.

No que tange à definição do que vem a ser área urbana do Município, o CTN (art. 32, §1º) exige a presença de, pelo menos, dois dos seguintes melhoramentos, construídos ou mantidos pelo Poder Público: a) meio-fio ou calçamento, com canalização de águas pluviais; b) abastecimento de água; c) sistema de esgotos sanitários; d) rede de iluminação pública, com ou sem posteamento para distribuição domiciliar; e) escola primária ou posto de saúde a uma distância máxima de 3 (três) quilômetros do imóvel considerado.

Demais disso, dispõe o referido artigo, em seu parágrafo segundo, que a lei municipal pode considerar urbanas as áreas urbanizáveis, ou de expansão urbana, constantes de loteamentos aprovados pelos órgãos competentes, destinados à habitação, à indústria ou ao comércio, mesmo que localizados fora das zonas definidas nos termos do parágrafo primeiro.

A base de cálculo do imposto é o valor venal do imóvel, cujo cálculo não deve levar em consideração o valor dos bens móveis mantidos, em caráter permanente ou temporário, no imóvel, para efeito de sua utilização, exploração, aformoseamento ou comodidade.

O lançamento do IPTU é feito de ofício, na medida em que o crédito tributário relativo ao tributo é constituído com a utilização de informações que o Município já possui em seu banco de dados, sem participação direta do sujeito passivo.

Nesse contexto, destaque-se a Súmula 397 do STJ: “O contribuinte do IPTU é notificado do lançamento pelo envio do carnê ao seu endereço”. Diante disso, cabe ao sujeito passivo o ônus de provar que não recebeu o carnê de cobrança.

O contribuinte do imposto pode ser o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil, ou o seu possuidor a qualquer título (art. 34, CTN), cabendo à lei municipal escolher dentre eles. Nesse sentido está a Súmula 399 STJ: “Cabe à legislação municipal estabelecer o sujeito passivo do IPTU”.

Vale destacar, por fim, que o STJ tem decisão no sentido de que somente poderá ser considerado contribuinte do IPTU o possuidor que seja o dono, não se enquadrando nesta hipótese, por exemplo, o locatário.

Acompanhe nosso blog e fique cada vez mais informado. Precisa alugar ou comprar um imóvel? Aqui na Jamaica Imóveis, temos o imóvel perfeito para planejar o seu futuro.

Por: Jamaica Imóveis

0 Comentários

Deixe o seu comentário!